Avançar para o conteúdo principal

10 km

Ontem foi dia da Corrida da Cidade de Aveiro. Já tinha tido conhecimento desta prova há algum tempo mas apenas formalizei a inscrição na quinta-feira.

No sábado achei que me ia arrepender de me ter inscrito. Choveu o dia inteiro... e eu já me estava a ver a fazer a prova à chuva ou, simplesmente, a nem sair de casa e dar o dinheiro como perdido.

No entanto, acordei no domingo e o tempo estava aberto.
Tomei pequeno-almoço reforçado e tratei de tudo para sair de casa. Antes das 11h00 estava na zona de partida.

11h00 e dá a ordem de partida.
Logo nos primeiros metros havia uma zona de subida. Motivada pelo pessoal que me rodeava, meti o turbo... mas rapidamente fui para o meu ritmo habitual (pouco mais de 8hm/h). Logo no primeiro km comecei a "comer pó"... toda a gente me ultrapassou. Não me admirou. Aliás, até era algo que já estava à espera.
A última corrida de 10km que tinha feito tinha demorado 1h18 e o último classificado desta corrida no ano passado fez 1h17.

Não estava era à espera que me começasse a doer os tornozelos. Ainda não tinha completado 2km e já estava aflita e a questionar se seria capaz de chegar ao fim dos 10km.

Entre os 3 e os 4km, numa altura em que tinha abrandado e estava convicta que ia desistir aos 6km (por razões logísticas era o momento ideal para desistir), fui ultrapassada por um homem. Esse homem era alto (eu diria que tinha cerca de 1.90m), não era propriamente gordo mas via-se que era uma pessoa com mobilidade muito reduzida. Corria com esforço, tinha uma passada pequena e os pés numa posição completamente tortos... mas ia a um ritmo certo e sem hesitar (e foi assim o resto da corrida).
Olhei para aquela figura, pensei no esforço que ele estaria a passar, no quanto ele deve ter superado para estar ali... e pensei em mim, como eu estava a ser egoísta e fraca por pensar em desistir. Foi nesse momento que decidi que podia até chegar ao fim de gatas... mas ia acabar a prova. Nunca mais pensei em desistir.

Quase a chegar à marca dos 5km, fui ultrapassada por um homem alto, muito magro e com uma velocidade estonteante... o meu pensamento imediato foi "mas este gajo vai a esta velocidade aqui atrás????". No segundo seguinte percebi que tinha sido ultrapassada pelo 2º classificado da prova (até chegar a casa e ver as fotos do evento estava convicta que devia ser o 1º).

O resto da prova não foi pacifico. Mas a figura daquele homem em esforço mas a ritmo certo motivava-me para seguir em frente.

Fui abordada por uma senhora que me disse "oh menina, já vai atrasada!" ao que respondi "não! ainda vou muito a tempo".
Apercebi-me que um policia perguntou à ambulância se eu era a última... não, ainda havia uns quantos atrás de mim.
Entre os 7 e os 8km, abrandei o passo quando passei numa zona onde havia um voluntário... disse-me logo "não desista!" e respondi-lhe que "não" afinal apenas estava a recuperar o fôlego.
Não sei o que me passou pela cabeça mas ao passar a marca os 8km comecei a cantar e a dançar "já só faltam 2, vamos!" (é oficial, sou tolinha!).

Na marca dos 9km deixei de ver o "meu" homem motivador (deve ter aumentado o ritmo) mas ali eu já não precisava dele para chegar ao fim. Eu própria aumentei o ritmo mas não o mantive durante muito tempo.
Quase a chegar à meta ultrapassa-me uma rapariga que foi atrás de mim a corrida toda (ela fazia parte de uma equipa e nitidamente um dos companheiros foi buscá-la lá atrás). Pensei "naaaaaaaaaaaa, não vais acabar primeiro que eu". Arranjei forças nem sei muito bem onde e corri até à meta. Passei a linha de meta aos 1h10:34.
Tirei 15 min ao tempo da S. Silvestre do Porto (que fui sem preparação nenhuma) e 8 min à última corrida de 10km que tinha feito (há quase 1 mês atrás).

Passo a meta e começa a chover.... :D
Correu bem, aliás correu muito bem! ;)



Comentários

  1. Ahahah é engraçado que fazemos relatos à medida que os kms passam e que o nosso estado de espírito vai mudando muito por causa do que nos rodeia.
    Das 3 vezes que fiz 10km, São Silvestre foi mesmo o pior tempo. Aquilo é sempre a subir e a descer não admira que se faça mais tempo...
    Parabéns!

    ResponderEliminar
  2. Parabéns!! É isso, não desistir que o caminho faz-se... correndo! =D mesmo que devagarinho e mesmo que ao lado do carro-vassoura! O importante é passar a meta! =D

    Um beijinho dourado

    ResponderEliminar
  3. obrigada meninas! o mais "estúpido" é que ia super aflita naquele inicio e cheguei ao fim super bem.... portanto se tivesse desistido tinha sido uma pena!

    ResponderEliminar
  4. Muitos parabéns, mais uma vez! Gostei muito de ler o teu relato e identifiquei-me com muita coisa... Passa-nos tudo pela cabeça enquanto corremos :D Ainda bem que não desististe e foi uma melhoria de tempo espectacular! Agora é continuar :)

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Hoje escrevo-vos com o coração

[e publico para o mundo inteiro ver... porque há coisas que o mundo não precisa de saber mas há outras que preciso tirar de dentro do peito]

Há 4 anos atrás descobri que vinha sendo enganada pela pessoa que amava. Durante uns dias hesitei mas acabei por tomar a decisão mais dificil que alguma vez tomei: decidi que não queria mais aquela pessoa na minha vida. 
Psicologicamente estava de rastos... só eu sei o que passei, nesse último ano, nas mãos da pessoa que me tinha feito promessas vãs.

Das últimas conversas que tivemos ele disse-me que iria apagar o seu perfil de Facebook. Para eu não achar estranho... que essa decisão nada tinha a ver comigo, que era ele que precisava de o fazer apenas por si próprio.
[sim, eu lembro-me dessa conversa como se tivesse acontecido há 2 minutos atrás.... o raio da memória nesse tempo ainda era grande, enorme. 
hoje em dia é uma titica e quase não me lembro do que fiz hoje de manhã]

Tudo muito certo até eu descobrir, meses mais tarde, que quando ele me disse…

Acho que preciso esclarecer

A quem não convive comigo diariamente... Não me interpretem mal!

Eu segui e sigo em frente todos os dias. A pessoa a quem me refiro no post anterior é passado e não possuo qualquer sentimento por ele... nem sequer ódio.
As recordações do tempo que passamos juntos são-me completamente inócuas. Foram vivências e apenas isso.

A irritação que vos transmiti... eu diria que acontece de ano a ano e, lá está, apenas porque sinto que há ali um poder sobre mim. E se há coisa que eu não gosto é que tenham poder sobre a minha pessoa.

[eu sei que pareço calminha e, por vezes, até submissa.... mas é algo que não sou mesmo!]

Ia chamar este post de "homossexualidade" mas o que vou escrever é mais abrangente que isso

Acabei de ver o excerto do vídeo em que 2 jogadores do Sevilha, ao celebrarem a sua vitória contra o Benfica, se beijam.

Não sei se são heterossexuais, homossexuais ou bi e sinceramente não me interessa particularmente qual a sexualidade de duas pessoas sobre as quais nunca tinha ouvido falar a não ser há umas horas atrás.
Mas já que vou opinar, não me pareceu que aquele beijo que tenha sido algo "novo" entre eles... foi um beijo de quem se beija dessa forma, ou seja, não houve aquele momento surpresa. Sendo que isso não quer dizer absolutamente nada quanto à sexualidade de ambos.

E agora voltando ao que me levou a pensar escrever este texto.
Lembro-me de, não há muito tempo, ter visto uma notícia que divulgava o primeiro jogador de futebol a assumir-se como homossexual. Penso que ele era alemão... ou então jogava num clube alemão, já não sei muito bem. Lembro-me que nessa altura pensei que ele não poderia ser o único homossexual nesse meio. O problema é que o futebol é um d…